Já adianto que não quero levantar polêmica aqui. A ideia é só compartilhar o que eu penso da utilidade/necessidade de cada item. Alguns vocês verão que não foram totalmente descartados, mas adaptados a minha realidade. A verdade é que, acredito eu, até a pessoa mais controlada da face da Terra pira quando está grávida. São mil coisinhas para comprar, tudo lindo, fofo etc. Dessas mil coisas, parte é realmente necessária. O que sobra só nos faz gastar dinheiro com tranqueiras que vão se acumular pelos cantos da casa.

Novamente afirmo que o que vou postar aqui não é regra – longe de mim! – é apenas o que penso, ok? Aliás, é a conclusão que cheguei ouvindo MUITAS pessoas, todas bem mais experientes que eu.

Vamos lá!

Saída maternidade
Há um consenso geral que a saída maternidade é uma roupa mais especial. Se você der um Google vai ver que um conjunto de macacão + manta não sai por menos de R$ 150 – e um dos mais simples. Não quero que pensem que sou pão dura, (quem me conhece sabe que não sou!) mas é um valor muito alto numa roupa que será usada 1 ou 2 vezes – no máximo. Cheguei a cogitar comprar num grupo de desapego, mas descartei a ideia. Estava com o pensamento fixo num conjunto de linha, mas depois achei melhor comprar um de malha e usar uma manta de crochê. Pois bem. comprei um macacão lindo, fofo e super de homenzinho por R$ 29,90 (JURO!) e ganhei a manta vermelha. Ou seja.

Móbile
Juro que não achei utilidade pra isso mas está em toda lista de “tem que ter no enxoval”. Cheguei a gostar de uns modelos em feltro, mas meu lado alérgico se arrepiou só de pensar em todos os ácaros que se acumulariam por ali. Desisti. Fora isso, os modelos tradicionais, eletrônicos que cantam, acendem luzes e etc são caros e não combinam com a decoração do quarto.

Poltrona de amamentação
Acho que é um dos principais itens anunciados nos grupos de desapego do Facebook. E sempre com um “nunca usado” ou “pouco uso”. Eu até queria uma poltrona normal que depois iria para o meu quarto, mas acabei desistindo pelo valor que deveria investir. Como conheço muita gente que amamentou tranquilo sem esse item e, bem ou mal, penso que eu vou amamentar onde der e precisar, dispensei a poltrona. Posso pagar com a língua? Certamente. Mas hoje é a minha opinião.

Banheira com pé
Olha pra ela e só penso “que trambolho!”. E taí uma coisa que eu não quero. Acabei comprando um modelo simples – dessas normais que nossas mães usavam quando éramos bebês. E vai ser essa mesmo!

Jogo de bolsas/mala maternidade
Mais uma da série “que trambolho!”. Pra que eu quero um kit com 3 malas bordadas com o nome do bebê, coloridas e etc? Já escutei até vendedora falando “mas você precisa de uma pra levar as roupinhas do bebê pra maternidade”. Jura? Não pode ser uma mala normal? Dessas que eu já tenho em casa? Acho que o motivo está bem claro aqui né? Comprei sim uma bolsa pra andar comigo pra cima e pra baixo com as coisas do Lucas. Aliás, é um modelo neutro. Vai andar comigo, com o pai, os avós e todo mundo que se prontificar a me ajudar. Mas esses kits de malas, nem pensar!

Enfeite de porta maternidade
Esse eu vou adaptar a minha realidade. Já vi vários, me apaixonei por muitos. Desisti de todos. É só um quadrinho com enfeite. Será usado por 2 dias na maternidade e depois vai (teoricamente) para a porta do quarto do bebê. Lá em casa não vai pra porta do quarto, eu usaria na parede do quarto. Mas, de verdade, como gastar mais de R$ 100 nisso? Vou fazer uma arte, emoldurar e pronto.

Kit higiene
No geral acho que compõe bem o quarto. Só que não consigo me ver fervendo água e colocando na garrafa térmica, muito menos enchendo os potinhos com algodões, cotonetes e etc. Vou deixar tudo dentro da caixinha, e todas vão ficar na gaveta da cômoda, bem a mão pra quando eu precisar.

Quem concorda comigo? Quem me acha louca?
hahaha

beijos,