Sabe uma coisa que ainda não consegui entender nessa minha curta trajetória no mundo materno? A silenciosa (ou não) competição entre mães.

Repara só, mães adoram competir, que seu filho é melhor, superior e por aí vai. Competem por cada grama ou centímetro do filho. Se a criança é mais nova e maior e mais pesada, SENHOR!, protege o coração dessa mãe porque ela fica eufórica quando descobre que está criando um bezerro gordinho. Bebês têm que ser gordinhos, sabe? Se for magrinho tem coisa errada e a mãe fica tensa (a avó então…). E a mãe fica como? Louca querendo engordar a criança porque a vizinha tem um filho 3 meses mais novo mas 2 quilos mais pesado. Isso não pode!

Essa competição pelo peso começa na barriga. Repara só nos grupos de mães no Facebook ou Babycenter. A neurose começa na primeira ultra. “Estou com 13 semanas e meu filho tem 2cm. Isso é normal. Qual o tamanho do de vocês?”. Aí pronto, começa a preocupação e a competição silenciosa. A mãe com o feto 1/2 centímetro maior fica radiante.

Há também os assuntos polêmicos, aqueles que as mães competem descaradamente: parto, amamentação e bebês que dormem a noite toda. Há exceções – e eu sou uma delas – mas no geral a mãe que teve parto normal ADORA se intitular a super-mãe. A mãe que amamenta gosta de deixar claro que seu filho é mais saudável e a mãe que tem o bebê que dorme a noite toda tira uma onda terrível com as demais que tão ali iguais um zumbi, acordadas a madrugada toda.

Quando a maternidade virou essa competição louca? Tem aquele ditado mara que diz “cada macaco no seu galho”, e acho que todo mundo conhece. Por que não simplesmente seguir sua vida e parar de vigiar a dos outros? Parar de comparar seu filho. Um filho! Quem é mãe sabe que não é fácil. São 9 meses (ou mais, ou menos) muitas vezes de perrengue. São tantos hormônios brigando dentro da gente, tanta coisa acontecendo, tanto amor nascendo e não consigo entender que ainda há espaço para comparar o filho com os demais como se fosse um objeto. Sabe? É um filho! Um serumaninho que não tá nem aí se ele mama peito ou mamadeira, ele quer comer. Ele não liga se saiu de parto normal ou cesárea? Ele só queria vir pro lado de fora da barriga. E ele também não liga se está gordinho ou não, se ele engatinhou mais rápido que o amiguinho, se os dentes estão demorando a vir. Ele não liga. Ele quer colinho, carinho, amor, atenção e fraldas limpas, de preferência.

Então, mães, parem com essa chatice. Tem um texto muito sábio que diz que a comparação é o ladrão da felicidade. Concordo e digo mais: enquanto você vigia o filho alheio, deixa de viver momentos incríveis com o seu. Curta as descobertas do seu filho NA HORA DELE, curta a chegada dos dentinhos, comemore o crescimento do SEU filho.

Um desabafo sincero de uma mãe cansada de ouvir “Nossa! Seu filho já tem 10 meses? Parece menos. Pequeno!”.

ps. escrevi e não revisei. se eu reler não publico 🙂