Prestes a completar 6 meses eu vivi um fim de semana caótico com Lucas. Eduardo estava viajando e ficamos na casa dos meus pais. A alimentação dele ainda era exclusiva no leite materno e eu achei que tudo ok, afinal, a mamadeira dele (no caso, eu) estava lá. Mas não foi bem assim.

A primeira mamada não foi legal, ele custou a pegar o seio e mesmo assim contrariado. Achei estranho mas insisti. A segunda seguiu o mesmo ritmo e a terceira não aconteceu. Lucas não queria mamar, só chorava. Estava com fome e mesmo assim não queria o seio. Eu, nervosa, não sabia o que fazer. Acabei dando meu leite ordenhado na mamadeira e foi assim por todo sábado e parte do domingo. Estava triste, chateada, nervosa. E pra completar, no fim do dia, chegou a notícia que meu marido tinha sido assaltado. Meu nervosismo foi a mil, não produzi leite e Lucas mamou leite artificial.

Chorei a madrugada inteira. Me sentia mal pelo desmame precoce do meu pequeno. Me culpei porque achei que ele preferia a mamadeira, já que estava tomando meu leite nele no último mês porque voltei ao trabalho. Chorei minhas pitangas num grupo de amigas que me consolaram, contaram suas histórias até que uma me falou sobre a greve de amamentação. Eu não conhecia isso e fui pesquisar.

LEIA TAMBÉM: Relato dos seis meses de amamentação exclusiva

Descobri que são bem comuns e acontecem, no geral, por conta de eventos traumáticos como estresse em casa, mudanças de ambiente e até quando a mãe dá um grito quando o bebê morde o peito, entre outros. Me identifiquei demais. Lucas começou a ter uma confusão de bico e estava mordendo muito meus seios, gritei algumas vezes, confesso.

Tentaram me convencer que eu consegui completar os 6 meses de amamentação e que era ok deixá-lo só na mamadeira e leite artificial, mas eu não aceitei isso. Eu queria continuar amamentando porque é o melhor pro Lucas e eu sempre vou dar o meu melhor pra ele, mas também porque, admito, eu não estava preparada para o desmame.

A greve durou alguns dias, insisti com a amamentação, precisei de muita paciência porque ele chorou muito. Pra complicar, Lucas passa os dias com as avós e na época mamava na mamadeira, então eu tinha poucas oportunidades pra reverter essa situação.

Segui as dicas do Grupo Virtual de Amamentação, mudei as posições para amamentar e fiquei com ele no peito mas sem oferecer a mama. Cheguei a andar com o leite artificial por precaução mas nunca mais utilizamos. Lucas se apegou ao peito novamente, mamãe ficou feliz e estamos a caminho do oitavo mês de amamentação.

A introdução alimentar fluiu bem e ele praticamente só come comida durante o dia, leite está quase só no peito. E eu nem posso sair depois do trabalho porque quando chego em casa mal dá tempo de tomar um banho, Lucas está desesperado pelo peito e todo aconchego do colo da mamãe.

Eu não sabia que existia greve de amamentação e se não me informasse meu filho já estaria desmamado hoje. Se isso acontecer com você, insista. Faça seu melhor como mãe.

beijos,
Lu

Eu sempre fui contrária a rotina. Essa história de fazer sempre a mesma coisa, no mesmo horário e talz me dava um desânimo tremendo. Mas como todo cuspe que já dei na vida tem caído lindamente na minha testa desde que virei mamãe, hoje eu penso diferente. Ter uma rotina pro Lucas faz as coisas funcionarem muito bem pra mim e mais do que isso, faz com que eu consiga fazer minhas coisas tranquilamente sem ficar louca com ele. Claro que as vezes não funciona, as vezes foge do controle e ele faz o que ele quer, como quer, quando quer. Pois é, sete meses e cheio de personalidade hahaha

Muitas mamães optam por estabelecer a rotina do bebê desde o nascimento, por aqui não rolou e só começamos porque eu voltei ao trabalho. Sinceramente, acho que se eu ainda estivesse em casa full time as coisas continuariam sem horário estabelecido, talvez sim agora por conta das refeições.

Acho que o maior segredo pra rotina dar certo é seguir a risca os horários. Aqui varia um pouquinho, mas acaba sendo naquele período. No fim de semana, inclusive, eu mantenho para não bagunçar tudo e as vovós ficarem loucas na segunda, rs.

5h30/6h – Lucas acorda. Nunca forcei esse horário mas desde que chegou em casa ele acorda no mesmo horário, é um reloginho. Raramente ele dorme até tarde (infelizmente!) e nessa eu aprendi a acordar com as galinhas também. Ele acorda e mama.

7h30 – Eu saio para trabalhar e ele fica com a avó paterna. Já com a barriga cheia ele passeia alguns quarteirões no carrinho e tira um cochilo, às vezes ele pula a sonequinha. É curtinha mesmo, uns 10/20min no máximo

8h30/9h – É a hora que ele acorda do cochilo, toma banho e come a papinha de frutas. Brinca bastante e tira um cochilo de 1 hora.

Dormindo ele consegue ficar ainda mais gostoso

12h – Ele almoça e vai pra casa da minha mãe na sequência. Chegando lá ele fica de bagunça com meu pai e tira um cochilo longo.

15h – Lucas acorda, toma banho e come a segunda papinha de fruta. É a hora de mais agitação dele, ele NÃO para! Bagunça o coreto todo hahaha

18h – Banho e janta. Eu saio do trabalho nesse horário.

19h30 – É mais ou menos a hora que eu chego em casa. Apesar de não estar com fome, ele fica desesperado para mamar.

20h30 – Começo a rotina do soninho. Quando precisa ele entra no banho com o pai, brinca no chuveiro até começar a enrugar. Coloco o pijama e fico com ele no quarto, no escurinho pra ele dormir. No geral, ele dorme no peito mas as vezes preciso embalar ele no colo, aí cansa. Se ele não tomar banho já pulo pro pijama e ele mama até dormir. Engraçado que quando estamos na rua nesse horário ele já fica enjoado de sono, mama e dorme por ali mesmo.

2h30/3h – Não é sempre mas tem dias que Lucas acorda nesse horário pra mamar e, mesmo assim, não deixa de acordar as 5h30/6h.

Algumas observações:

  •  Dependendo do calor ele toma mais banho do que estou relatando. Ela odeia calor e estamos sempre refrescando ele;
  • Quando estou em casa ele mama nesses intervalos todos. Não chega a ser uma refeição mas é um golinho, rs. A pediatra já me deu várias broncas pra ir tirando o leite dele durante o dia mas é difícil com ele puxando meu sutiã haha;
  • Lucas segue mamando leitinho da mamãe. As avós até têm NAN em casa para um SOS mas ele rejeita. Até a mamadeira ele rejeita as vezes, aí ele toma no copinho de transição;
  • Nem sempre ele dorme durante o dia. A única soneca sagrada é a pós-almoço, as outras ele pula tranquilamente. É até bom porque ele dorme mais cedo.

Algumas dicas:

É isso!
Beijos,

Como a cara de pau da pessoa não tem fim, ela posta as fotos do ensaio gestante quando a criança já está com 7 meses. Vê se pode! hahaha
Eu nem ia postar aqui mas mandei fazer um fotolivro com as minhas fotos grávida e vi que eu tava TÃO linda grávida. Sério, não lembrava que eu tinha ficado tão linda. A barriga tá linda. eu estava com 33 semanas. Lucas nasceu duas semanas depois do ensaio, rs. Engraçado que eu queria fazer mais dois ensaios depois desse, um na praia (que seria no fim de semana que ele nasceu) e um em casa depois que eu arrumasse o quarto. Só que ele nasceu antes da hora, né? Não tinha nem mala da maternidade pronta, imagina quarto.

LEIA TAMBÉM: Meu relato de parto

As fotos foram feitas no Jardim Botânico, aqui no Rio de Janeiro. A fotógrafa foi a Jane Salazar.

Minhas fotos favoritas são com a barriga tampada. Eu morri de vergonha de andar de barriga de fora, gente!
Super recomendo fazer um ensaio gestante. A recordação é tão linda. Eu não lembrava mais como fiquei barriguda. E esse bração? E essa gordura teimosa nas costas? Que saudade da minha barriga sem estrias hahaha

Conheça mais o trabalho da Jane na página dela no Facebook: www.facebook.com/janesalazarfotografia

beijos da ex-barriguda <3