Lucas completou meio ano de vida e eu tô de cara como o tempo passou rápido. Gente, meu filho começou a comer e tá sentando. Daqui a pouco começa a namorar! hahahaha Foi um mês particularmente difícil pra mim. É ótimo ver meu filho crescendo, se desenvolvendo e com mil novidades MAS eu senti um aperto no coração de ver como ele ta começando a ficar independente de mim. Ahh, gente. Sou bobona e chorona, sei que tô exagerando mas me deixa. Me abracem e digam que é normal <3

Os marcos desse mês:

  • Aprendeu a dar a língua
  • Começou a sentar sozinho
  • Começou a introdução alimentar

  • 65cm e 7.010kg
  • Continua usando fralda M;
  • Comecei a introdução alimentar um dia antes de completar 6 meses porque eu queria dar a primeira papinha e ele faria 6 meses numa segunda. Não quis esperar uma semana pra dar início, tava muito ansiosa. Ele comeu mamão super bem. Já provou além deste, banana, maçã, pera, manga e ameixa;
  • Segue no leite materno. Mama o peito à noite, de madrugada e de manhã. Durante o dia continua no LM mas na mamadeira;
  • Adoooooooooora beber água. Comprei um copinho de transição pra ele e ele fica lá agarrado, já até segura sozinho;
  • Anda viajando demais. Além de bater ponto em Saquarema, já foi em Casimiro de Abreu e Cachoeira de Macacu. Se antes não podia entrar no carro que dormia, hoje já viaja acordadão se problemas;
  • Continua elétrico. Pernas e mãozinhas estão sempre em movimento. As mãos pegam qualquer coisa que chame a atenção dele – se for o controle remoto então é certo dele pegar. Adora também um celular e os brinquedinhos dele;
  • Já fica de bruços sem se irritar. Na verdade, ele agora adora. Vive de bruços se arrastando pelo chão, parece uma minhoquinha. Dizem que assim que começa pra engatinhar, tomara!;
  • Segue dando trabalho pra dormir. Todo dia é uma guerra pra ele dormir. Ô bichinho pra lutar contra o sono. Pior que ele só dorme embalado e meus braços as vezes ficam até dormentes nesse processo;
  • Já disse e repito: Lucas é o bebê mais sorridente que conheço. Ele já amanhece sorrindo, me presenteando com o sorriso banguela mais gostoso do mundo. Ele é super simpático também, ri pra todo mundo;
  • Acho que os primeiros dentinhos estão pra vir. A coceira na gengiva aumentou e ele anda MUITO irritado;
  • Fã de carteirinha do Mundo Bita. Ô desenho bacana!
  • Já senta sem apoio, consegue virar o pescoço em todas as direções quando está sentado. Além de se alongar todo e não tombar;
  • Brincamos aqui que Lucas é fofoqueirinho porque ele é extremamente observador, presta muita atenção na conversa dos outros (hahaha) e olha tudo que está ao redor dele.

Meu filho, mamãe morre de orgulho de você. Te amo! Continue crescendo forte e saudável!

Estou prestes a completar 6 meses de amamentação exclusiva do Lucas. Minha felicidade é enorme de conseguir chegar até aqui porque o caminho não foi fácil e muitas vezes pensei em desistir. Eu tinha lido muito sobre o assunto e achava que estava preparada para esse momento mas a verdade é que nunca passou pela minha cabeça que eu sentiria medo de dar meio seio para o Lucas porque sabia que ele ia me machucar. Meu bico não rachou, não sangrei mas senti dor até quase o terceiro mês. Não doeu todos os dias, a pega dele estava correta mas ele mamava com tanta força que me machucava muito. Nunca fiz uso de bico de silicone – mas por total falta de oportunidade, não sou contra – e virei amiga da pomada Lansinoh, usei tanto que meus sutiãs mancharam com ela, rs.

Mas vamos ao início.

Como já contei aqui, Lucas nasceu e foi direto para a UTI Neonatal. Seu primeiro contato com o leite materno foi através de sonda, na sequência pegou primeiro a chuquinha e só mamou nos meios seios com 10 dias de vida. Eu sempre sonhei com esse momento mas não imaginei que seria tão emocionante. O início da amamentação significou pra mim não apenas aquele elo incrível que ela proporciona entre mãe e filho, mas também a última etapa para ele ter alta. Tivemos acompanhamento da fonoaudióloga da UTI que me ensinou tudo sobre pega e eu tinha pressa e ansiedade para que ele acertasse porque, como falei, a alta dele dependia desse passo. Dois dias depois Lucas foi para a casa conosco, para a glória de Deus.

Em casa eu achei que tudo seria tranquilo só que ele foi “mal acostumado” na UTI. O que acontecia: quando eu não estava lá e ele mamava nos seios, o leite era oferecido na chuquinha e se ele não mamasse toda a quantidade estabelecida pela equipe médica, o restante ele tomava via sonda. Ou seja, ele não tinha o trabalho de sugar, muitas das vezes. E mamar dá um trabalhinho. Eu tava com um bebê com fome e com preguiça de pegar no peito. Foi desesperador. Cheguei a ordenhar e oferecer o meu leite na chuquinha, naquele momento minha preocupação era que ele se alimentasse para não perder mais peso e pensava que OK dar a mamadeira já que o leite era meu. E assim foi por dois dias. Todas as vezes que ele não pegava no meu peito (quase sempre) ele tomava na chuquinha.

Mas pera lá né? Eu só estava piorando a situação porque é claro que ele tinha se tocado que não precisava mamar os seios porque o alimento viria de qualquer jeito. Foi aí que tomei controle da situação. Eu tinha leite, muito leite e um bebê que precisava mamar. Por que usar a mamadeira? Passei a deixar ele chorar mesmo na hora das mamadas. Era um risco mas podia dar certo. E deu. Lucas passou a mamar diretamente nos seios. Começou a mamar só o esquerdo, rejeitava o direito. Até hoje, na verdade, ele prefere o seio esquerdo. E foi um processo longo, que levou dias. Hoje ele é louco no peitinho dele, mas eu poderia ter desistido lá trás e não chegaríamos aqui.

A mamadeira é mais fácil pra mim e pra ele. Ele que não tem tanto trabalho de puxar e se alimenta rápido e pra mim porque – sendo sincera, não me machuca. Amamentar dói sim. Lucas tem uma força danada nessa gengiva que me deixa cheia de medo pra época que os dentes começarem a nascer. Tudo são fases né? No início eu achava que o seio cheio, bem duro, era ótimo pra ele mamar. Mas era complicado. Quanto mais duro estava o seio, mas dificuldade ele tinha pra abocanhar tudo e ficava só no biquinho e me machucava. Custei a entender que ele precisava da mama bem macia. E quando me toquei disso, passei a ordenhar sempre que os seios estavam cheios. Esse leite eu congelava e Lucas tomava sempre que eu precisava sair por algum motivo. Tomava na mamadeira, sim, e ainda bem que não rolou confusão de bicos por aqui.

LEIA TAMBÉM: Greve de amamentação, isso existe mesmo?

Hoje a amamentação não está mais fácil mas sim leve, natural. Lucas segue machucando meu peito, mas não pra mamar. Acontece que ele deve pensar que meu bico é mordedor porque quer aliviar a coceira da gengiva me dando “gengivadas” que me fazem chorar. Pode ser também que ele pense que é um elástico porque adora puxar pra lá e pra cá. E é bem dolorido.

Sabe que quando voltei a trabalhar não imaginei que chegaria aqui? Eu consegui! Não sou mais mãe do que muitas que dão mamadeira e complemento e juro por Deus que nem as julgo – cada uma sabe seu jeito de maternar e é o melhor para os filhos. Agora minha meta é amamentar Lucas até quando ele quiser, e espero que ele queira por muito tempo.

Eu e Dudu gostamos muito de viajar e a ideia é não parar por causa do Lucas, mas incluir ele nas nossas saídas. Eu não sou super chegada a praia mas Dudu é. Temos um cantinho em Saquarema que visitamos sempre que dá e foi lá o escolhido para Lucas estrear na areia.

Antes de ir peguei toda orientação com a pediatra dele. Ela não liberou para piscina mas deu OK para a praia com algumas condições. Nada de expor o baby ao sol (se a gente não aguenta, imagina ele), deixá-lo debaixo do guarda-sol. Pode dar banho de mar mas nada de protetor – só com 6 meses. E lá fomos nós, a tardinha do dia 26/12 pra praia de Itaúna. Lucas de shortinho, camiseta e óculos escuros. A água estava gelada demais e achei melhor não dar banho nele, então ficou só de graça na areia. Pitico fez sucesso!


Já comprei um conjuntinho de roupa com fator de proteção para ida seguinte. Fomos só nós dois e não consegui tirar foto dele molhando o pé no mar. Senti que ele ficou com medo quando a onda vinha, onda não, aquela marola marota, rs. Mas fiquei com ele e ele se divertiu e dei aqueles gritinhos de empolgação.

No Carnaval vamos voltar e ele já estará liberado para a piscina, já comprei uma boia pra ele. Tô ansiosa!

Mãe é tudo bicho bobo né? Só pra registrar o momento nesse meu “diário do Lucas”, rs.