Se tem uma coisa que eu aprendi na marra foi a quantidade de comida necessária para dois aqui em casa. Passei meses desperdiçando comida, tendo que jogar fora porque eu fazia comida demais. E isso não é legal. Mesmo. Semana pós semana, cada vez que eu tinha que jogar tudo fora eu me sentia péssima. Sempre pensava nas pessoas que não tinham um prato pra comer e eu jogando fora…

Eu sempre cozinhei na casa dos meus pais. E com os anos de prática, eu já tinha em mente a medida certa das coisas para quatro pessoas comerem bem e sobrar pro dia seguinte. Quando cheguei na minha casa, é claro que repeti as medidas. No início achei ótimo porque, por exemplo, eu tinha arroz para uma semana toda. Acreditei que era um adianto danado e segui com essa ideia.

Só que eu me esqueci de um detalhe. Eu não faço todas as refeições em casa. No geral eu almoço na rua, e não tenho o hábito de jantar. Dudu almoça em casa/leva marmita e janta as vezes. Fora isso, ainda filamos comida na mãe/sogra/avós/outro familiar ou amigo pelo menos uma vez por semana (não riam!), então o arroz estragava e qualquer outra comida também. Frango então. Nossa! Eu descongelava a bandeja inteira de 1kg e ficava lá na geladeira. Quando eu notava, já não prestava.

Hoje eu diminuí muito as quantidades. Arroz eu faço para 2 refeições no máximo. Eu adianto a carne/frango/peixe e congelo. Feijão idem. Depois que aprendi a congelar as coisas, minha vida mudou! E a alimentação lá de casa também.

jantar-ideal-dia-namorados-sexo-2

Vamos ao que interessa.

Arroz – eu uso um copo de requeijão Vigor de 200ml como medida. Dá para duas refeições para o casal.

Macarrão – 250g dá pra comer e repetir. No geral faço à noite, jantamos e sobra pra marmita de Dudu no dia seguinte (e a minha também)

Feijão – eu cozinho o quilo e divido em vasilhas pequenas. Uma vasilha de 200ml dá pra duas refeições – ou mais (eu quase não como feijão)

Carne moída – 250g é o suficiente pra fazer almôndegas ou um molho bolonhesa bem caprichado. Eu compro 1kg da carne e separo em porções de 250g. Se for só pra eu e Dudu, 1 unidade é suficiente. Se no dia a gente tiver com visita, pego duas unidades ou mais – de acordo com a quantidade de visita.

IMG_6374

Carne em Bife – Normalmente eu calculo 2 bifes pequenos/médios pra cada um por refeição. Se for bem grande, um é suficiente. Raramente sobra. Se eu for fazer strogonoff ou ensopadinho, eu já uso cerca de 250g ou 300g. Ela picada rende bastante, então basta. Faço o mesmo esquema da carne moída, já separo em porções.

Frango – Eu compro a bandeja, abro e separo as porções. Um peito de frango é mais que o suficiente para nós dois. E sobra para o dia seguinte. Dá com folga. Sempre separo por peitos. Quando estou empolgada eu já separo cortado em filé ou em cubos. Para outros cortes também separo por quantidade para cada um. Por exemplo, 4 sobrecoxas.

IMG_6375

Essa é a minha realidade. Mas vale ajustar para a quantidade de comida que vocês estão acostumados. Eu cozinho umas três vezes por semana pra ter comida fresquinha sempre. Era avessa a essa ideia porque achava que me tomaria tempo demais, mas foi a melhor coisa que eu fiz. É um tempo ótimo do lado do Dudu, ele sempre fica do meu lado e lava a louça pra mim, rs. Ah, eu não parto do zero nesses dias, costumo adiantar as coisas no sábado, tipo, deixar carne cortada e talz. Mas isso fica pra outro post… 😉

Espero que meu relato ajude bastante vocês!

Casar sempre foi um sonho, acho que é coisa de menina, né? Queria ter minha casa, minha família, cuidar disso com todo carinho e manter tudo limpo e organizado. Mas, quando cheguei da lua de mel e fui parar na casa – nova e desconhecida – o choque foi muito maior do que eu poderia imaginar. Tipo, muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito maior mesmo.

Eu aprendi cedo a lavar, passar, cozinhar, arrumar e limpar. Ajudava em casa sempre que possível, mas eu só ajudava. A partir do “sim” no altar, passou a ser minha obrigação (e do marido, claro) e nossa!, como é difícil se organizar pra isso. Eu trabalho fora e o Dudu também, e todo dia o cansaço é maior do que a vontade de fazer as coisas. Aí tudo acumulava, e depois pra fazer era um verdadeiro sacrifício.

Um pedacinho da nossa cozinha <3

[Um pedacinho da nossa cozinha <3]

Fora que, desculpa quem gosta tá?, mas cuidar de casa é muito chato. Eu preferia mil vezes ficar no sofá assistindo qualquer coisa a lavar louça, dobrar roupa, passar pano na casa. É chato, é cansativo mas é totalmente necessário.

Aí rolou estresse, briga, lágrimas, tiro, porrada e bomba. hahaha – ou quase!
Mas a verdade é que hoje, um ano casados, a rotina está bem mais tranquila, adaptada, com tudo funcionando no lugar. Ou quase.

Tem dia que a gente não tá afim, tem dia que você tá passando mal, tem dia que surge um imprevisto. Aí acumula e é um verdadeiro parto pra voltar ao eixo. Vida de mulher maravilha não é fácil. Trabalhar o dia todo, pegar ônibus cheio, engarrafamento, chegar em casa e fazer o que precisar, passar no mercado/açougue/peixaria/afins, manter a casa em ordem e no fim do dia vestir lingerie sexy e passar hidratante ryco no corpo, ser sexy, ser mulher…

É, repito: vida de mulher maravilha não é fácil. Mas tô aprendendo.
Aqui conto tudo pra vocês.
Vai ser meu diário secreto da dona de casa desesperada. Ou a deliciosa loucura da vida a dois.
Espero que gostem!

beijos,